Acrópole de atenas

A CIVILIZAÇÃO GREGA – INTRODUÇÃO
– A partir do século VIII a.C, desenvolveu-se, na Península Balcânica uma das Civilizações mais importantes da Antiguidade – a Civilização Grega (ou helénica);
– Os gregos, embora partilhem a mesma identidade racial e linguística, nunca pensaram unirem-se politicamente. Pelo contrário, estiveram sempre divididos numa pluralidade de pequenas cidades-estado – as pólis – autônomas e independentes entre si, muitas vezes até rivais.
– Foi em Atenas, uma Cidade-Estado, que se fundou a primeira Democracia, isto é, o governo do povo.

FORMAÇÃO DE CIDADES-ESTADO / PÓLIS
O QUE CONTRIBUIU PARA A FORMAÇÃO DAS CIDADES-ESTADO?
-A Grécia localiza-se na Península Balcânica e é banhada a Sul pelo Mar Mediterrâneo.
-As características geográficas marcaram a sua evolução:
 Terreno muito montanhoso;
 Apresenta vales profundos e pequenas planícies;
 Costa muito recortada e numerosos portos naturais.
 O relevo montanhoso dificultava o contacto entre as cidades, pelo que as populações começaram a desenvolver-se isoladamente, formando cidades-estado ou pólis, cidades com governo, leis e exército próprios.

A PÓLIS:
A pólis era constituída por:
 Acrópole, situada na parte mais alta da cidade, era o centro da vida religiosa e onde se encontravam os templos.
 Ágora, ou praça pública, era a parte mais baixa da cidade, onde se encontravam as zonas residenciais, administrativas e comerciais. Constituía o centro da cidade e aí se desenvolvia a vida política e se realizavam as trocas comerciais.
 Zona rural, com campos, pastos e bosques, servia para abastecer a cidade de produtos agrícolas.
 Apesar de viverem isoladas, as cidades-estado possuíam algumas características comuns que lhes dava
alguma unidade, tais como a língua, a religião, os jogos e os costumes

A COLONIZAÇÃO GREGA
 Os gregos expandiram-se para várias regiões do mar Mediterrâneo e do mar Negro, fundando colónias. As razões que levaram a este movimento de colonização foram
 A necessidade de terras férteis para a agricultura;
 A procura de matérias-primas;
 A procura de produtos para comercializar e de mercados para vender os seus produtos.
 Entre as colônias e a metrópole mantinham-se ligações comerciais, religiosas e culturais intensas, o que contribuiu para expandir a arte e a cultura helênicas.

ATENAS: RECURSOS ECONÔMICOS E ABERTURA MARÍTIMA
-Atenas transformou-se na mais rica e próspera cidade do mundo grego para o qual contribuíram:
 Situações geográficas, perto do mar Egeu, que permitiu aos atenienses dedicarem-se, predominantemente, ao comércio marítimo;
 O comércio florescente beneficiou com a prata, oriunda das minas da região, e foi utilizada na cunhagem de moeda – dracma – que passou a ser aceita no comércio realizado em todo o Mediterrâneo;
 Esta prosperidade possibilitou a Atenas assumir o papel de liderança na união das várias cidades-estado, formando a Liga de Delos, aliança defensiva, contra as invasões dos persas;
-A agricultura era praticada, mas devido ao solo pobre, impossibilitava que a cidade fosse auto-suficiente:
 Importavam: cereais, madeiras e metais;
 Exportavam: produtos artesanais, (armas, navios e cerâmicas) e excedentes agrícolas (azeite,
vinho e figos).

SOCIEDADE ATENIENSE
-A sociedade ateniense estava dividida em 3 grupos:
 Cidadãos: Homens livres, com mais de 18 anos de idade, com serviço militar cumprido e filhos de pai e mãe atenienses. Somente eles possuíam direitos políticos para participar na vida política da pólis. As mulheres e as crianças não faziam parte do grupo dos cidadãos;
 Metecos: Eram os estrangeiros que habitavam em Atenas. Não tinham direitos políticos e estavam proibidos de adquirir terras, mas podiam dedicar-se ao comércio e ao artesanato. Em geral, pagavam impostos para viver em Atenas e estavam obrigados à prestação do serviço militar;
 Escravos: Formavam a grande maioria da população ateniense. Eram prisioneiros de guerra ou filhos de escravos. Executavam a maioria dos trabalhos mais pesados na agricultura, nas minas e nos serviços domésticos. Os escravos eram considerados propriedade do seu senhor, não tinham liberdade nem direitos políticos, embora houvesse leis que os protegiam contra excessos de maus tratos.

DEMOCRACIA ANTIGA: OS DIREITOS DOS CIDADÃOS E O EXERCÍCIO DO PODER
-Atenas foi governada por diversos sistemas políticos:
 A monarquia: o poder pertencia ao rei e aos nobres
 A tirania: o poder pertencia a um único governante que tomava todas as decisões;
 Os conflitos sociais levaram Clistenes a realizar reformas que defendiam a igualdade de direitos políticos, entre todos os cidadãos. Esta reforma foi concluída por Péricles dando origem à democracia
 Atenas foi uma das primeiras pólis a adotar a democracia como forma de governo e foi aí, que a democracia grega conheceu a sua forma mais perfeita, tornada modelo para outras cidades-estado.
-A democracia ateniense começou a preparar-se nas leis promulgadas por Dracon e Sólon (século VII e VI a.C), mas só foi verdadeiramente conseguida na época clássica, durante as magistraturas de Clístenes, Efialtes e Péricles (século VI e V a.C):
 Organizaram a população
 Alargaram o corpo cívico
 Concederam a todos os cidadãos a igualdade perante a lei
 E a igualdade na participação na vida pública e política
 A democracia antiga, em Atenas, foi uma democracia direta, isto é, uma democracia em que o governo era exercido pelos próprios cidadãos, através de eleições ou sorteios para os cargos temporários (anuais) e/ou rotativos, mas sempre provisórios.
 Eram os cidadãos, sem distinções de nascimento, profissão, riqueza ou grau de instrução que elegiam e exerciam os cargos públicos.


PRINCIPAIS ÓRGÃOS/INSTITUIÇÕES DA DEMOCRACIA:
 Eclésia: Órgão base da soberania. Era uma assembleia popular composta por cidadãos do sexo masculino com serviço militar já cumprido. Possuía funções legislativas e deliberativas: vota as leis, decide a paz e a guerra, elege os Magistrados e vota o ostracismo. As suas decisões eram tomadas por maioria de votação e reuniam três a quatro vezes por mês.
 Bulé: Órgão deliberativo e executivo. Controlavam ainda um corpo de magistrados (Arcontes e Estrategos) que executavam todo o tipo de funções públicas
 Magistrados:
 Estrategos: Eleitos por um ano. Comandam a Marinha e o Exercito, gerem os assuntos e as finanças do estado.
 Arcontes: Eleitos por sorteio durante um ano. Organizam o culto.
 Tribunais: A aplicação da justiça cabia a dois tribunais:
 Helieu: poder judicial; era um tribunal popular que julgava os delitos mais simples;
 Areópago: Tribunal formado por antigos arcontes e julgava os crimes mais graves

CARACTERÍSTICAS – CHAVE DA DEMOCRACIA DIRETA:
ASPECTOS POSITIVOS DA DEMOCRACIA
 Princípio da soberania popular: Todos os cidadãos tinham assento e participação ativa. Era um direito e dever deles. As decisões eram tomadas através da aplicação do princípio da maioria.
 Uso do sorteio/eleição na escolha dos magistrados, isenção das designações e igualdade no acesso aos cargos permitindo que o cidadão mais humilde cumprisse funções politicas.
 Caráter transitório e rotativo dos cargos que evitava as corrupções e abusos de poder
 As leis (ou nomos) eram sugeridas, discutidas e aprovadas por todos, com vontade da maioria. Nada era imposto ou outorgado por outros.


LIMITES DA DEMOCRACIA ATENIENSE:
ASPECTOS NEGATIVOS DA DEMOCRACIA
-A democracia ateniense apresenta algumas contradições e limitações:
 Era uma democracia só para os cidadãos;
 Na democracia ateniense, as mulheres não eram detentoras da cidadania (nem sequer as filhas dos cidadãos);
 Os estrangeiros (metecos) não possuíam direitos políticos e estavam privados de alguns direitos civis;
 A democracia grega e o pensamento grego, em geral, foram concordantes com a escravatura. Os escravos, metade da população, não gozava de direitos políticos e civis, incluindo o de constituir família. Eram usados em todo o tipo de tarefas, sendo indispensáveis à sobrevivência da pólis;
 A democracia ateniense fechou-se em torno da intocabilidade das leis sobre as quais não admitia qualquer censura;
 Apesar de todas estas limitações a democracia ateniense foi um exemplo de participação cívica, sendo um dos mais importantes legados que a civilização grega nos deixou.


OS DIREITOS DOS CIDADÃOS:

  1. Direito à liberdade e propriedade
  2. Isonomia ou igualdade perante a lei (sinônimo de democracia)
  3. Isocracia ou igualdade de acesso aos cargos públicos (assegurada pela pratica do sorteio/eleição)
  4. Isegoria ou igualdade no direito ao uso da palavra, à liberdade de expressão (“Quem melhor falava, melhor
    convencia”)
    Estas características tornaram o cidadão ateniense consciente da sua responsabilidade cívica e membro ativo da comunidade.

UMA CULTURA ABERTA À CIDADE
AS GRANDES MANIFESTAÇÕES CÍVICO-RELIGIOSAS
 Amantes do Ócio (descanso) e do convívio social, os gregos organizavam nas suas pólis numerosas festividades que se distribuíam por todo o calendário anual
 As festividades possuíam um carácter essencialmente religioso porque:
 Eram dedicadas aos deuses
 Homenageavam heróis míticos
 Realizavam-se em recintos sagrados
 Continham uma serie de rituais e cerimonias religiosas
 As festividades desempenhavam também, um importante papel recreativo e sociocultural
 Realizavam-se no espaço circunscrito de uma cidade-estado e fazia parte integrante do seu culto cívico. Algumas tiveram um carácter mais alargado, atraindo devotos e participantes do mundo grego
 Foram as festividades Pan-Helênicas (Jogos Olímpicos, realizados de 4 em 4 anos) que contribuíram para a comunhão de crenças, cultos e tradições entre todos os Gregos.


OS FESTIVAIS ÁTICOS
 Organizados na pólis de Atenas, pelos magistrados ou cidadãos mais ricos por eles designados, mas todos os atenienses se sentiam envolvidos nestas festas, que atraíam inúmeros visitantes
 Estas festas simbolizavam a devoção aos seus deuses e danificavam e exaltavam a polis.
 Celebravam a vida e o prazer de viver com banquetes, discursos e exposição pública dos dotes individuais (poesia, música, proezas físicas…)
 De entre os festivais áticos destacam-se:
 As Panateneias: Foram as maiores festas atenienses pois eram dedicadas à padroeira da cidade, a deusa Atena, filha de Zeus. Aconteciam todos os anos no dia 28 de Julho.
 As Grandes Dionísias: Festas dedicadas ao Deus Dionísio e realizavam-se todas as primaveras, durante o mês de Março. Iniciavam-se com o transporte da estatua do Deus para o templo a ele dedicado e consistiam numa serie de declarações de
ditirambos (versos religiosos)

A EDUCAÇÃO PARA O EXERCÍCIO DO PODER:
-A formação da juventude decorria num âmbito muito limitado: abrangia determinados grupos sociais e visava a preparação para a guerra e/ou a aprendizagem restrita de certa profissões
-Foi em Atenas, a partir do século VI a.C, a educação dos jovens começou a ser encarada num sentido mais amplo, eclético (abrange disciplinas e saberes variados) e humanista:
 Estabeleceu-se uma educação alargada a todos os habitantes da pólis que procurava o aperfeiçoamento das capacidades físicas e intelectuais dos indivíduos, tendo em vista a preparação dos jovens para o cumprimento dos deveres cívicos e para o
exercício da cidadania política;
 As crianças iniciavam a sua educação cívica aos 7 anos, idade que começam a frequentar as escolas (publicas ou privadas)
 As meninas não iam à escola. Permaneciam em casa, no gineceu (zona reservada à mulher) onde, na convivência com a mãe, a ama e outras servas, completavam a sua formação.


CURRÍCULO ESCOLAR EM ATENAS
 Na escola, os rapazes atenienses aprendiam a ler, a escrever e a contar e praticavam exercícios físicos. Para melhor denominarem a gramática, eram introduzidos na leitura de grandes autores épicos, cujas poesias chegavam a recitar de cor;
 A formação completava-se com o ensino da música e o domínio de um instrumento musical;
 Cerca dos 14/15 anos até aos 18 anos de idade, entravam no serviço militar e frequentavam ginásios. Nesta idade também se iniciavam no conhecimento de matérias como filosofia, historia, politica (…);
 A parte mais importante desta formação fazia-se participando na vida da cidade (pólis), que , na sua rotina, continha muitas oportunidades para os cidadãos cultivarem o espírito de crítica.

ESCULTURA GREGA:
A estatuária grega representa os mais altos padrões já atingidos pelo homem. Na escultura, o antropomorfismo – esculturas de formas humanas – foi insuperável. As estátuas adquiriram, além do equilíbrio e perfeição das formas, o movimento.


PINTURA/ CERÂMICA:
A pintura grega encontra-se na arte cerâmica. Os vasos gregos são também conhecidos, não só pelo equilíbrio de sua forma, mas também pela harmonia entre o desenho, as cores e o espaço utilizado para a decoração. Além de servir para rituais religiosos, os vasos eram usados para armazenar, entre outras coisas, água, vinho, azeite e mantimentos.